Recrutamento e Seleção

Ginásticas laborais: o que são e quais os seus benefícios?

ginasticas-laborais-o-que-sao-e-quais-os-seus-beneficios.jpeg
Escrito por Indianara Ferreira

Os problemas do dia a dia, as horas que parecem ainda mais longas em frente ao computador e os esforços físicos, dependendo do cargo, fazem com que muitos trabalhadores sintam dores pelo corpo.

As empresas têm se preocupado cada vez mais com o capital humano e, uma prova disso, é a inserção das ginásticas laborais na rotina. Além de aliviarem o estresse, elas ajudam na prevenção de doenças ocupacionais e lesões por esforço repetitivo.

Mas você sabe como elas surgiram? Quais outros benefícios as ginásticas laborais trazem para os funcionários e, consequentemente, para as empresas? Confira neste artigo.

O que é ginástica laboral e como foi inserida nas empresas?

Os primeiros registros de ginástica laboral datam de 1925, na Polônia. Ela acontecia durante uma pausa que os trabalhadores tinham no meio da jornada. No Brasil, ela foi introduzida apenas em 1973, mas passou a ser cada vez mais comum.

As atividades são classificadas em três grupos: preparatória, compensatória e relaxamento.

A primeira é feita antes de começar o trabalho, ou seja, no início do expediente, enquanto a segunda é para aliviar a tensão, durante uma pausa criada com esse fim. Já a última acontece no meio ou no fim do expediente e serve para relaxar os colaboradores. 

Quais os benefícios trazidos pelas ginásticas laborais?

Como você já sabe, a ginástica laboral alivia o estresse e esse é o principal ponto que os empregadores buscam. Mas ela também proporciona muitos outros benefícios, como você pode conferir.

1. Evitar lesões

Não são poucas os problemas de saúde que o funcionário pode desenvolver durante a jornada. Podemos incluir nesse grupo as Lesões por Esforço Repetitivo (LER) e os Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT).

Ao preveni-las, as chances de acontecer um acidente de trabalho diminuem drasticamente e também contribui para o bem-estar e para um bom desenvolvimento das atividades profissionais.

2. Aumentar a produtividade

Pouca gente sabe, mas com a inserção da ginástica laboral o funcionário além de se sentir mais motivado, também fica mais disposto, já que as dores corporais são reduzidas.

Mas, para garantir esse aumento na produtividade, é preciso que a empresa ofereça a prática regularmente. Assim, os efeitos serão sentidos a longo prazo.

3. Criar um momento de interação entre equipes

A ginástica laboral é um momento de descontração e relaxamento. Se o objetivo da empresa for alinhar as equipes e contribuir para um ambiente de trabalho mais amigável também vale a pena investir nela.

Por esse motivo, os exercícios devem ser feitos quando houver o maior número de funcionários no escritório. Fora isso, também é interessante praticar em um espaço amplo, para juntar diferentes setores, que normalmente não interagiriam entre si.

4. Reduzir o absenteísmo

Funcionários expostos a uma carga elevada de serviço estão mais sujeitos a lesões e doenças de vários tipos, aumentando as taxas de absenteísmo, ou seja, faltas.

A ginástica laboral ajuda a prevenir essas doenças e reduz as ausências, evitando que o trabalho da equipe seja prejudicado por conta de um indivíduo.

Além disso, as pessoas que praticam esse tipo de atividade tendem a adquirir consciência corporal e poderão se interessar em outros exercícios, saindo do sedentarismo. Isso aumenta ainda mais a saúde do quadro de colaboradores.

Após todos esses pontos apresentados, podemos concluir que as ginásticas laborais são de extrema importância para todos os tipos de trabalhadores e também para a empresa. Se a ideia é aproveitar o máximo potencial da sua equipe, invista!

Curtiu? Então, não deixe compartilhar este artigo nas redes sociais para contar a todos sobre os benefícios que você aprendeu!

Sobre o autor

Indianara Ferreira

DIRETORIA DE NEGÓCIO, GERÊNCIA COMERCIAL E MARKETING
Graduada em Administração de Empresas, Pós-Graduação em Primeira Gerência e Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing e MBA em Trade Marketing– ESPM.

Deixar comentário.

Share This