Recrutamento e Seleção

Resolução de conflitos: como funciona e para que serve?

resolucao-de-conflitos-como-funciona-e-para-que-serve.jpeg
Escrito por Indianara Ferreira

A resolução de conflitos sempre foi uma das responsabilidades dos departamentos de Recursos Humanos das empresas. Especialmente em cenários de instabilidade econômica, em que o fantasma do desemprego ronda as corporações de todos os portes, a tensão, as divergências e as diferenças geram desconfortos em equipes nos mais diversos departamentos organizacionais.

Nesse contexto, saber administrar esse ambiente é fundamental para que haja prejuízos.

Pensando nisso, o post de hoje tem como objetivo mostrar como conviver com conflitos dentro da empresa e dar algumas dicas que ajudem você na resolução de conflitos. Se você é do setor de RH de uma grande empresa, este post foi feito para você. Confira!

Prejuízos que os conflitos podem trazer

Conflitos entre pessoas são usualmente corriqueiros no nosso dia a dia. Cada um de nós possui características que, às vezes, podem ser incompatíveis com as de um colega de trabalho.

Isso é contornável, desde que não traga impactos para o andamento das atividades profissionais de cada um.

Podemos listar alguns prejuízos que podem ser causados às empresas:

  • diminuição da produtividade;
  • dificuldade de comunicação;
  • aumento do retrabalho;
  • aumento do nível de defeitos;
  • evasão de talentos;
  • elevação das faltas e das doenças laborais.

Alguns prejuízos podem ser percebidos imediatamente, exigindo uma pronta reação. Entretanto, outros somente são diagnosticados depois de passado algum tempo, o que pode trazer uma maior dificuldade para serem contornados e solucionados.

Portanto, cabe ao departamento de RH e aos gestores de cada área identificar a ocorrência de atritos internos e interferir rapidamente para a resolução de conflitos.

5 dicas para ajudar na resolução de conflitos

A resolução de conflitos tem como objetivo primordial aplainar as dificuldades de relacionamento que existem entre as pessoas. Assim, ela serve para manter um bom ambiente organizacional e um relacionamento satisfatório entre os componentes do time de trabalho.

É importante que todos estejam engajados e entendam que o desgaste entre duas pessoas pode comprometer toda uma estrutura organizacional.

Para ajudar você nessa missão, listaremos a seguir algumas dicas que ajudam na resolução de problemas. Elas podem ser usadas tanto pelos profissionais de RH quanto pelos gerentes responsáveis. Confira:

Ouça os envolvidos

O primeiro passo a ser dado quando um conflito é diagnosticado é ouvir as pessoas que estão intimamente envolvidas. Procure se informar adequadamente sobre o ocorrido e, então, chame as pessoas para uma conversa reservada. Tenha bastante tranquilidade e peça que cada uma explique sua percepção dos fatos.

Incentive o diálogo

Incentive o diálogo e deixe claro que o melhor caminho para a solução de conflitos é uma boa conversa, em que cada um dos envolvidos deve ceder um pouco. Coordene a reunião tentando manter as pessoas implicadas o mais calmas quanto for possível.

Caso o ambiente esteja tenso, adie a conversa para que os ânimos sejam amenizados. Pessoas estressadas e irritadas tendem a potencializar as divergências, trazendo mais dificuldades para a resolução de conflitos.

Seja transparente e educado

Seja educado e absolutamente transparente nas suas intervenções. Atue sempre que entender que a discussão está saindo do controle — mas não tome partido antes que todos os envolvidos façam a sua explanação. Pergunte sempre se algum ponto não ficou claro e, em caso positivo, peça que esse assunto seja relatado novamente.

Seja conciliador, mas determinante

A conciliação é o melhor caminho para a solução de conflitos, desde que exista realmente uma clara harmonização entre todos.

Caso uma conciliação não seja possível, cabe ao gestor ou ao responsável pelo RH definir e determinar qual o caminho a ser seguido. Tome a decisão de maneira isenta, não levando em consideração a questão pessoal. Como diz o antigo ditado: “amigos, amigos, negócios à parte…”.

A definição deve sempre privilegiar o coletivo ou própria empresa, e não interesses pessoais. Seja conciso, direto e definitivo. Pense em outro dito popular: “águas passadas não movem moinhos”. O que houve é passado, então, toque a vida para frente!

Gostou de entender a importância da resolução de conflitos e nossas dicas para aplicá-la em sua empresa? Então, assine agora mesmo nossa newsletter e receba todas as nossas dicas sobre recursos humanos e sobre a sinergia entre pessoas e resultados!

Sobre o autor

Indianara Ferreira

DIRETORIA DE NEGÓCIO, GERÊNCIA COMERCIAL E MARKETING
Graduada em Administração de Empresas, Pós-Graduação em Primeira Gerência e Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing e MBA em Trade Marketing– ESPM.

Deixar comentário.

Share This